18/03/2015 Informativo da 2ª Sessão Legislativa Extraordinária de 2015

Informativo da 2ª Sessão Legislativa Extraordinária de 2015

Os Vereadores estiveram reunidos no Plenário Manoel Medeiros Eugênio, nesta terça-feira, 17 de março, no horário das 14 horas, realizando a 2ª Sessão Legislativa Extraordinária de 2015.

Eles foram auto convocados durante a Sessão Ordinária da última quinta-feira, 12/03, para realizar sessão Extraordinária na terça-feira, 17 de março de 2015, com início as 14 horas, pela Comissão Processante, foi constituída no dia 15 de dezembro de 2014 e composta pelos Vereadores Clodoaldo de Medeiros (Membro), Nilton de Campos (Relator) e Evandro Souza de Almeida (Presidente), cujos nomes foram sorteados entre os Vereadores presentes naquela Sessão.

O objetivo da sessão foi o Julgamento do Processo de Cassação do Prefeito, por cometimento de Infração Político-Administrativa, que tramita na Câmara de Vereadores de Tubarão. Após apresentação do relatório e as manifestações no plenário, o relatório foi colocado em apreciação, a votação foi nominal, apurando-se o seguinte resultado:

A votação ocorreu de forma nominal com o seguinte resultado:  Vereador Carlos Eduardo Zamparetti da Silva, ausente com justificativa; Vereador Clodoaldo de Medeiros, votou contrário; Vereador Edson José Firmino, ausente com justificativa;  Vereador Eraldo Pereira da Silva, votou contrário; Vereador Evandro Souza de Almeida, votou favorável;  Vereador Gelson José Bento, votou contrário; Vereador Gilson Paes Vieira, votou favorável; Vereador Jairo dos Passos Cascaes, votou contrário; João Gonçalves Fernandes, votou contrário; Vereador Joel Geraldino de Almeida, votou favorável;  Vereador Júlio Cesar Ângelo Rodrigues, votou contrário;  Vereador Lucas de Souza Esmeraldino, votou favorável; Vereador Luiz Gonzaga dos Reis, votou contrário; Vereador Matusalém dos Santos, votou contrário;  Vereador Nilton de Campos, votou contrário; Vereador Paulo Henrique Lúcio, votou contrário; Vereador Vanor Rosa, votou favorável.  A votação aberta  pela cassação foi  rejeitada, absolvendo o Prefeito Municipal, com cinco votos favoráveis, 10 votos contrários e duas ausências justificadas. Já o encaminhamento do processo ao Poder Judiciário foi aprovado com 12 votos favoráveis e três abstenções.